segunda-feira, fevereiro 6

DOPO+Veados com Fome+Lobster @ ZDB - opinião pouco fundamentada


DOPO - três vírgula cinco polegares para cima em cinco (mais zero vírgula cinco polegares para cima por causa do bolo feito e distribuído no final pela namorada de um dos elementos, 3,5 por causa do pouco à vontade que decerto se dissipará com o tempo, só é preciso relaxar e soltar a malta - era o primeiro concerto do colectivo - e por causa da bateria, que talvez não resulte assim tão bem - e estava um pouco alta - dentro do contexto - no EP só há num tema -, talvez fiquem melhor com percussões diversas tocadas por todos os membros - faltava um deles e sem entrar na cena frique e hippie dos djembés - para abrilhantar a folk de brincar do colectivo)

Veados com Fome - dois polegares para cima em cinco (* inserir piada com o nome da banda, do que vi não gostei muito, som demasiado alto com tudo muito inconsequente, lembrei-me dos Deerhoof muitas vezes, mas Deerhoof muito mais fraco, demasiados pregos, passei metade do tempo lá em baixo sentado na escada e aproveitei a oportunidade de experimentar na primeira pessoa a famosa Buddha Machine - tem de ser o link da Pitchfork, é o mais explicativo dos primeiros que aparecem no Google, no site oficial não há grande explicação - que estava nas mãos do porteiro, mesmo que apenas por momentos, porque aquilo deve ser viciante e tal, 9 loops diferentes e cenas que servem um propósito ambiental, deve ser estimulante durante os primeiros 20 minutos, depois deve começar a fartar, ou então deve ser bom para dormir, é um brinquedo simpático de fabrico japonês, ajudado pela enorme manobra que não pode ser comprada - o Brian Eno comprou uma grande quantidade delas)

Lobster - quatro polegares para cima em cinco (o baterista parecia dos Melvins - que máquina, meu, e a t-shirt de Orchid, porra, há que tempos que não me lembrava deles, apesar de nunca ter sido fã -, os Lightning Bolt só apareceram uma ou duas vezes - a comparação é descabida, só porque destroem e são um duo -, os Explosions in the Sky apareceram nas partes mais calmas, sempre com poder e óptimo, não ouvi o EP da Merzbau mas cheira-me que não me interessa ouvi-los em disco, aproveitarei sempre que puder para vê-los ao vivo)

A opinião não é imparcial, eu estava na guestlist dos DOPO. Ah, e eu odeio notas.

2 Comments:

At 3:26 da tarde, Anonymous serafim said...

Estás enganado. A Buddha Machine é de fabrico chinês e não japonês.

 
At 2:34 da tarde, Blogger Rodrigo said...

Obrigado.

 

Enviar um comentário

<< Home